A religião une ou separa?

Pergunta:

Graça e paz, pastor. Gostaria que o pastor me explicasse sobre as seguintes questões: A RELIGIÃO SEPARA, A ESPIRITUALIDADE UNE. Grato! PEDRO D. BATISTELA, SÃO PAULO – SP

Resposta:

Este tema que você sugere é muito amplo e não temos espaço nesta seção para analisá-lo conforme a complexidade que ele requer. Muito sintética e superficialmente, explico. O termo “religião” vem do latim religare e significa religar. Religião, portanto, a principio significa união e não separação. Religar o quê? Religar o homem, que estava separado por causa do pecado, a Deus que é santo. E nenhum líder espiritual, fundador de qualquer religião que já viveu na terra pôde fazer isso, pois todos eram ímpios, pecaram e estavam separados de Deus. Não podiam aproximar-se de Deus: “Também isto será a minha salvação, o fato de o ímpio não vir perante ele” (Jó 13:16).

Nossa salvação, portanto, só podia vir de alguém santo e por isso Jesus se fez homem, viveu na terra sem pecado e assim pôde dar sua vida em resgate do homem, assumindo nossos pecados e concedendo-nos o perdão dos pecados através de seu sangue. Para você compreender um pouco mais leia a mensagem contida neste site intitulada “Por que Deus se fez homem?”, de Santo Anselmo, no endereço http://joseadelson.wordpress.com/2007/05/14/porque-deus-se-fez-homem/ .

Agora, esta verdade absoluta não é aceita por muitos e por isso criam-se religiões diferentes, cada uma pregando a sua “salvação”. E isso separa os povos entre si. Cria-se radicalismos. Guerras santas. Perseguições. Ódios. O homem sabe, desde o seu nascimento, que precisa buscar a Deus (Rm 1:20). Somos como as tartaruguinhas que nascem na areia quente e imediatamente saem em busca das águas do mar. Muitas nesse pequeno trecho de praia perecem, mas muitas alcançam a salvação.

Os principados e potestades do mal existentes na terra, inimigas de Deus, espertamente e com muita astúcia, sabendo desta necessidade do homem, criaram então doutrinas espiritualistas que servem para enganar, como uma cortina de fumaça. Daí então surgem as religiões com forte teor moral, umas voltadas para a prática das boas obras, outras voltadas para a harmonia entre os povos, outras para o culto à criação (e não ao Criador), etc. Este tipo de espiritualidade une os povos (quem não quer viver em paz e harmonia?) mas os separa de Deus, pois elas não ensinam a necessidade de arrependimento de pecado e um novo nascimento espiritual e não carnal.

Cristianismo, irmão, não é religião. Mas um novo nascimento, através do arrependimento de pecados e fé em Cristo. Sem arrependimento não há remissão e não há união com Deus. “para lhes abrires os olhos e os converteres das trevas para a luz e da potestade de Satanás para Deus, a fim de que recebam eles remissão de pecados e herança entre os que são santificados pela fé em mim. Pelo que, ó rei Agripa, não fui desobediente à visão celestial, mas anunciei primeiramente aos de Damasco e em Jerusalém, por toda a região da Judéia, e aos gentios, que se arrependessem e se convertessem a Deus, praticando obras dignas de arrependimento” (At 26:18-20).

Este é um tema belíssimo para se discorrer, mas não temos tempo nem condição, no momento, para explaná-lo mais. Que o Senhor te abençoe com plena compreensão da verdade e graça de Deus a nós concedida através de Jesus Cristo, a verdadeira RELIGIÃO.

José Adelson de Noronha

Uma opinião sobre “A religião une ou separa?”

  1. Estou de pleno acordo em tudo que vc relatou. na verdade quando comecei entender de um lado não religioso eu pude perceber que há muitos confrontos entre eles dono da religiões. Todos eles querem mostrar conhecimento com uma teologia barata com sua forma de pensar em seus proprios interesses fazendo distinção á aqueles que não fazem parte da teologia deles. Na verdade eles não deixam agente pensar examinar como manda a biblia. Estou muito feliz com seu coméntario e que Deus continue orientando pessoas que ainda estão prescisando encontrar a verdade que é simplesmente Cristo. abraços Elias

    Curtir

Os comentários estão desativados.