Espigas Mirradas


Foto de Ruibastos, no Flick.com

 Myriam Rebuzzi

 

“As vacas feias à vista, e magras, comiam as sete formosas à vista e gordas. As espigas mirradas devoravam as sete espigas grandes e cheias” (Gênesis 41:4-7).

 

Se lermos com toda atenção essa passagem, poderemos tirar preciosas lições. Muitos cristãos, depois de viverem aquele primeiro amor junto a Deus, acabam se acomodando ou esfriando na fé. Cansam na caminhada. Não sentem mais entusiasmo em realizar nenhum serviço, esquecem-se dos ensinamentos do Senhor.

 

Nessa passagem, vemos que Faraó havia tido um sonho e nele vira vacas magras e feias, devorando as gordas e formosas, e espigas mirradas devorando sete espigas grandes e cheias.

 

O que significa isso? Podemos entender o seguinte: nossa vida espiritual, tão de gozo, alegria e vitoriosas experiências, pode estar sendo devorada por tempos de desânimo, frieza e fracasso.

 

Com profundo pesar, constatamos que muitos cristãos, cheios do vigor do Espírito, trabalhadores incansáveis na obra de Deus, de repente fracassaram, caíram de uma maneira que nos causa profunda tristeza. É muito desalentador constatarmos isso. Precisamos nos lembrar que Deus está e sempre estará com suas mãos estendidas para nós. Suas promessas são eternas. Ele quer sempre nos dar o melhor.

 

“Guarda os mandamentos do Senhor, teu Deus, para andares nos seus caminhos e o temeres; porque o Senhor, teu Deus, te faz entrar numa boa terra, terra de ribeiros de águas, de fontes, de mananciais profundos… terra de trigo e cevada, de vides, figueiras e romeiras; terra de oliveiras, de azeite e mel, terra em que comerás o pão sem escassez, e nada te faltará nela… Comerás e te fartarás, e louvarás ao Senhor, teu Deus” (Deuteronômio 8:6-10).

 

Não podemos deixar que vacas magras ou espigas mirradas devorem nossas experiências vitoriosas com o Senhor. não é tempo disso; é tempo de boas colheitas, de fartura, de darmos frutos bons e em grande quantidade.