É Difícil Acreditar que Alguém Pudesse Ser Tão Ignorante!


 Meditações de Oswald Chambers

 

“Quem és tu, Senhor?” At 26:15  

“Porque assim o Senhor me disse, tendo forte a mão sobre mim”. Não há como escapar quando é o Senhor que nos fala, pois quando ele vem, faz de tudo para consumir toda a nossa atenção. Já alguma vez a voz de Deus lhe falou diretamente? Se falou, não há como ter dúvidas, pois, com uma insistência muito íntima, ela usa da linguagem que você melhor entende a nível pessoal e não a que entra através dos ouvidos para sair de novo, mas, antes através da linguagem das suas circunstâncias. 

Deus tem que destruir a confiança em nossas próprias convicções a qual, muitas vezes, se torna persistente e teimosa. “Eu sei que é isto o que deveria estar a fazer”. E, de repente, a voz de Deus fala de um modo que nos deixa surpreendidos, revelando aos nossos olhos as profundezas da nossa ignorância.  

Expomos nossa ignorância em relação a ele através do modo como decidimos servi-lo, pela obstinação. Servimos Jesus impelidos por um espírito que não é próprio n’Ele e o magoamos sempre pelo modo que empregamos para o defendermos; divulgamos a sua mensagem com o espírito do diabo. Nossas palavras parecem sempre ser as certas, mas, nosso espírito é o espírito do inimigo. “Jesus… os repreendeu e disse: Vós não sabeis de que espírito sois”. O espírito do Senhor que deve instigar todos os representantes dele é o que vem sobejamente descrito em 1 Cor.13. 

Estou perseguindo a Jesus com minha determinação zelosa para servi-lo à minha maneira? Se sinto que, ao cair do pano no cumprir do meu dever, eu o feri, posso estar certo de que esse não era o meu dever para aquele dado momento, porque não produziu um espírito manso e humilde nem em mim nem nos outros, mas antes amor-próprio.  

Imaginamos que tudo quanto é desagradável seja dever! Acaso isso se assemelha ao espírito do Senhor que se expressa assim, “Agrada-me fazer a tua vontade, ó Deus meu”? 

Fonte: http://www.reavivamentos.com