Jesus, o Portador do Pecado


Dr. Charles Stanley

 

 “Enquanto comiam, tomou Jesus um pão, e, abençoando-o, o partiu e o deu aos discípulos, dizendo: tomai, comei; isto é o meu corpo. A seguir, tomou um cálice e, tendo dado graças, o deu aos discípulos, dizendo: Bebei dele todos” (Mt 26:26,27)

A cruz é tão comum em nossa cultura que a maioria das pessoas não pensam duas vezes quando vêem uma em uma igreja. Mas, infelizmente, a familiaridade com o símbolo pode fazer com que as pessoas fiquem longe de compreender o que realmente significa. Então, vamos parar para pensar como Jesus tornou-se o portador do pecado.

Começamos com a Escritura escrita muito antes de Jesus nascer. Gênesis, o primeiro livro da Bíblia, explica como o homem escolheu desobedecer a Deus. Porque Adão e Eva comeram o fruto proibido, seus descendentes são todos nascidos sob a maldição da morte, tendo herdado a natureza pecaminosa da “carne”.

Em Levítico, as leis de Deus para a nação judaica incluíam a observância do Yom Kippur, o dia de cada ano, quando os israelitas jejuaram, oraram, e sacrificaram um animal para expiar o pecado. Em essência, o bode iria suportar os erros cometidos pelo povo e sofrer a penalidade que a justiça divina exigia.

Séculos mais tarde, Isaías profetizou que o Salvador iria expiar pela transgressão, de uma vez por todas (Isaías 53:5, 8;. Heb 7:27). Depois de mais 700 anos, João Batista identificou Jesus como o Cordeiro de Deus que tiraria o pecado do mundo (João 1:29). O Messias tinha chegado. E como Ele era totalmente diferente do que o povo tanto esperava, eles o rejeitaram e pediram sua crucificação.

Ao todo, Deus deu 613 leis por intermédio de Moisés. Mas nenhum de nós pode perfeitamente seguir sequer os Dez Mandamentos. Na verdade, uma razão pela qual Ele nos deu estas regras foi para nos mostrar a nossa necessidade de um Salvador (Sl 19:7; Gal 3:24). Medite sobre esses mandamentos (Ex. 20:1-17), pedindo a Deus para falar ao seu coração.

Tradução da devocional do ministério do Dr. Charles Stanley, por Alexandre Chicrala.

Fonte: HTTP://chicrala.blog.com