Arquivo da categoria: Mensagens

Uma Virada no Verbo Eterno


José Adelson de Noronha

 

Amados irmãos e irmãs, que a graça e a paz do Senhor Jesus esteja com todos vocês, assim como em seus lares e projetos de vida.

Como alguns de vocês sabem, estou passando por um período de tribulação pessoal na área de saúde e todos os meus planos, projetos e ministérios tiveram que ser redistribuídos entre o corpo de Cristo.

O Site Verbo Eterno ficou à parte, porque eu esperava, mesmo de casa ou do hospital, dar um certo acompanhamento a vocês, mas, infelizmente, isso não tem sido possível.

Me entristece ver suas questões, pedidos de oração e ajuda e aconselhamentos sem resposta alguma. Eu não posso ser um obreiro morno ou fazer a obra do Senhor relaxadamente.

Por isso, depois de muitas orações decidi que é tempo de abrir o site a outros colaboradores oficiais.

No momento estou orando e buscando do Senhor as indicações desses colaboradores e suas confirmações voluntárias. Até lá, deixarei o site fechado a toda e qualquer participação.

Peço perdão a todos que buscaram o site e não foram atendidos e oro para que seja o Senhor, sempre, a lhes edificar a alma, ensinar, conduzir, guardar, curar e alegrar e, principalmente, a guardar-lhes a fé, a esperança e o amor no coração, em Nome de Jesus.

O Silêncio na Provação


José Mateus

1. Quando Deus não faz aquilo que desejamos a tendência é para duvidar. A pessoa, quando é posta à prova, por norma, não recebe aquilo que deseja, ou não recebe da forma que desejaria receber ou no tempo que quereria receber. Existe um ditado que diz que os verdadeiros amigos manifestam-se somente quando não temos dinheiro. Por vezes, Jesus apresenta-se a nós “como raiz de uma terra seca; não tinha beleza nem formosura e, olhando nós para ele, não havia boa aparência nele, para que o desejássemos. Era desprezado e o mais rejeitado entre os homens, homem de dores e experimentado nos trabalhos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado e não fizemos dele caso algum”,Is.53:2,3. Não se admire se Jesus se apresentar dessa forma, pois, será assim que se revelará se você é Seu verdadeiro amigo ou não.

2. Qual é a pessoa que, estando a ser provada, entende tudo aquilo que se passa com ela? Jó entendeu, a meio das provações, que estava sendo provado. Mas, nem assim entendia mais do que isso, pois, não entendia as provas e nem a forma como chegaram a ele. Apenas concluiu que estava sendo provado e nada mais. Por essa razão, somos aconselhados por Tiago a pedir sabedoria sob provações caso essa nos falte. Sabedoria é, também, prudência com as palavras que saem da nossa boca; controlar pensamentos e acusações descontroladas; não tirar conclusões apressadas, precipitadas e muito menos injustificadas, etc. “Bom é para o homem suportar o jugo (…) assentar-se solitário e ficar em silêncio; porquanto Deus o pôs sobre ele. Ponha a boca no pó; talvez assim haja esperança. Dê a face ao que o fere; farte-se de afronta. Porque o Senhor não rejeitará para sempre”, Lam.3:28-31.

Fonte: www.reavivamentos.com

A Nossa Páscoa


Jesus Crucificado

José Adelson de Noronha

 

“As palavras do Senhor são palavras puras, prata refinada em cadinho de barro, depurada sete vezes. Sim, Senhor, tu nos guardarás; desta geração nos livrarás para sempre. Por todos os lugares andam os perversos, quando entre os filhos dos homens a vileza é exaltada” (Salmo 12:6-8).

 

Jesus é o Verbo, a palavra de Deus. Palavra pura, vinda diretamente do Trono para os homens na terra. Jesus veio como homem, feito do pó da terra e tornou-se também, assim como nós, um vaso de barro, moldado para servir ao Reino, segundo a vontade do oleiro, o Pai. E durante a sua vida terrena, humana, Jesus viveu e serviu sem pecar, puro, sem dolo, engano, maldade. Aleluia!

 

Mas chegada a hora, na Páscoa, aquele vaso de barro tornou-se um cadinho no fogo. Ali na cruz, no monte Calvário, Jesus foi humilhado por todos, rejeitado pelos que abençoara, escarnecido pelas autoridades religiosas, civis e militares, moído em seu corpo pelas minhas incontáveis transgressões, tornado maldito pelo meu pecado, só e único em todo o universo! Ali, nessas circunstâncias, Jesus pronuncia sete frases redentoras do homem mau, impuro, iníquo.

 

Prata sete vezes refinada em cadinho de barro. Prata purificada pelo sofrimento. Na cruz do Calvário Jesus não acusa ninguém, mas abençoa. Jesus redime a humanidade com suas palavras. Do mais justo ao mais pecador. Do mais íntimo ao mais desconhecido. Jesus, morrendo horrivelmente, ensina-nos a perdoar, a amar, a servir e a confiar de forma absoluta no Pai, mesmo quando todas as circunstâncias são contrárias.

 

Sete frases na cruz:

  1. Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem” (Lc 23:34);
  2. “Mulher, eis aí o teu filho”… “Eis aí tua mãe” (Jo 19:27);
  3. “Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso” Lc 23:43);
  4. “Tenho sede” (Jo 19:28);
  5. “Deus meu, Deus meu, por que me desamparastes? (Mc 15:34);
  6. “Está consumado” (Jo 19:30);
  7. “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito” (Lc 23:46)

 

No espaço de três horas, em apenas sete frases depuradas pelo sofrimento indescritível, Jesus nos perdoa, ensina-nos a servir uns aos outros em família, revela a salvação exclusivamente pela Graça, mostra que é homem, barro como todos nós e dependentes do Pai e do Espírito Santo. Também consumou completamente a minha, a sua, a nossa salvação e confiou (manifestou fé absoluta) no poder do Pai para salvá-lo, redimi-lo e ressuscitá-lo das trevas.

 

Agora então podemos viver na absoluta certeza de que não há mais condenação sobre nós e que é o próprio Senhor que nos guarda e nos livra da vileza das acusações de satanás. Os perversos (satanás e seus anjos maus e espíritos imundos) estão ainda no mundo, andam por todos os lugares, inclusive nos lares cristãos, nas igrejas e ministérios, mas está chegando o dia em que o Senhor vai nos tirar dessas trevas e nunca mais seremos alvos dos iníquos e nunca mais seremos tentados.

 

Para sempre estaremos livres do mal. Em nós e ao nosso derredor. Demos graças a Deus por Jesus Cristo, o Cordeiro de Deus que tira o pecado do Mundo! Ele é a nossa Páscoa! Aleluia!

 

O Cristão Pé de Jabuticaba


“Bem aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes, o seu prazer está na lei do Senhor, e na sua lei medita dia e noite. Ele é como árvore plantada junto a corrente de águas, que no devido tempo dá o seu fruto, e cuja folhagem não murcha” (Sl 1:1-3)

Visitando há poucos dias o sítio de um casal amigo, Sr. Haníbal e Da. Sônia, nas proximidades de Belo Horizonte, pude desfrutar de jabuticabas maduras, docinhas, o que motivou-me a escrever esta mensagem, que há muito estava no meu coração.

A jabuticabeira, nativa do Brasil, tem muito a ensinar-nos. Árvore de porte médio, muitos galhos que saem do tronco a pouca altura do chão e que se desdobram em pequenos ramos, os quais resistem ao peso de um homem com facilidade, sem quebrar. Dobram, se encurvam, mas não se quebram com facilidade.

Na floração é um espetáculo! A jabuticabeira reveste-se do caule às pontas de flores brancas, pequenas, perfumadas. Enxames de abelhas e pequenos insetos a visitam desde o alvorecer até o apagar da luz do dia. É um manancial generoso de néctar. E, quando caem, suas flores encobrem o chão, formando um lindo tapete branco, generosamente disponível para as formigas.

Os frutos, a princípio quase que invisíveis, começam a aparecer, grudados diretamente no tronco. Eles cobrem todo o tronco, desde o chão, até as pontas dos ramos mais finos, no alto. E tomam forma arredondada, pequenos, ainda verdes. O rijo tronco se abre em pequenos poros, gerando vida e doçura.

E, na plenitude da frutificação, quando amadurecem, mais uma vez podemos ver o quão generosa é a jabuticabeira. Ela, agora, reveste-se, do caule às pontas de pequenos frutos, pretos, doces, dulcíssimos. É um espetáculo lindo de se ver. Aves e pequenos insetos vêm saborear da sua doçura, desde o alvorecer até o apagar da luz do dia. E, quando caem, as jabuticabas encobrem o chão, formando um lindo tapete preto, mais uma vez, generosamente disponível para as formigas.

Não há pessoa que não se encante quando depara com uma jabuticabeira na sua plenitude. Seja na floração, seja na frutificação.

Mas, para que ela produza assim, com abundância e doçura, ela necessita de estar plantada junto a águas ou receber água nas suas raízes freqüentemente. Sem esta água farta, seus frutos se tornam pequenos, mirrados, pouco doces. 

 

Perdendo Para Ganhar 

Além disso, a jabuticabeira possui uma característica interessantíssima: ela descasca por si só. Seu tronco, galhos e ramos soltam a casca com facilidade. Isto é, ao mesmo tempo, mecanismo de defesa e de fortalecimento. Na perda da casca ela se fortalece. Seu cerne cresce de dentro para fora. É maravilhoso.

A jabuticabeira é uma das poucas árvores que está razoavelmente protegida da praga da erva de passarinho, uma planta parasita que, pela deposição das fezes dos passarinhos com suas sementinhas, passa de uma árvore contaminada para outra. Esta pequena semente da erva de passarinho, desenvolve raízes grudadas no tronco da nova árvore hospedeira, e, ali cresce e expande-se, abafando a hospedeira. A erva de passarinho impede a floração dos ramos, impede a frutificação, sufoca a árvore gradativamente, até matá-la.

A jabuticabeira sabe proteger-se deste mal, pois descasca com facilidade, expelindo as fezes dos passarinhos com suas sementes, em princípio inofensivas, mas  assassinas em potencial. Ela perde casca, mas não perde o viço, o vigor e o fruto no seu tempo.

E, se porventura vemos uma jabuticabeira com erva de passarinho, é porque ela está próxima demais de outra espécie de árvore, a qual foi tomada pela planta parasita, e cujos ramos foram lançados sobre a jabuticabeira. Aí ela não tem como defender-se, pois as raízes do mal estão na árvore vizinha.

 

O Cristão Pé de Jabuticaba 

O homem tem muito a aprender com a jabuticabeira, especialmente a sabedoria e a generosidade. Estar plantado junto à fonte de água viva, que é Jesus, é garantia de frutos grandes, doces e abundantes. O homem que tem suas raízes na fé em Jesus e na salvação pela Graça de Deus sempre será viçoso e frutífero a seu tempo. Muitos virão até ele e encontrarão alimento e repouso, generosamente. Muitos se admirarão vendo o espetáculo da vida cristã, mesmo no sofrimento, quando tem que ceder, perdoar, abençoar quem o persegue.

Se alguém lhe ofende ou dá prejuízo, ele perdoa. Perde a “casca”, mas não perde o fruto. Se alguém lhe persegue, difama ou calunia, ele perdoa, abençoa e intercede pela pessoa. Perde a “casca”, mas ganha cerne. Um cristão nunca deixa a amargura abafar seu viço, sua alegria pela salvação alcançada. Um cristão sabe que o que importa é o interior e não o exterior. Seu valor para Deus está no cerne. O exterior é para abençoar aos que lhe buscam.

Irmão, seja você uma jabuticabeira generosa, que faz as delícias de quem lhe procura. Solte casca e ganhe em liberdade. Perca o supérfluo para ganhar cerne espiritual. Perca para dar fruto. Fruto do Espírito Santo, que é amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio. Perca para glorificar ao seu Criador. Seja como Jesus, que sendo Deus esvaziou-se para glorificar ao Pai. Jesus nunca reivindicou ser tratado como Senhor. Ao contrário, Ele veio como servo de todos, inclusive do mais torpe pecador.

E não ande próximo demais a quem é amargurado de espírito, pois você pode ser contaminado, mesmo perdendo todas as “cascas” possíveis.  Não deixe que a murmuração, a queixa, a lamúria tome conta do sua vida ou do seu ambiente, pois isto pode espalhar-se de forma incontrolável. Fuja do conselho dos ímpios, não pare no caminho que os pecadores fazem, nem se admire do que fazem os escarnecedores que não temem a Deus.

Busque a Palavra de Deus com grande sede, pois ela é quem vivifica sua alma. A Palavra de Deus consola, alimenta, fortalece, sustenta. A Palavra de Deus é seiva que fará com que você tenha sempre vigor, viço e abundância do fruto do Espírito Santo. Fruto doce, dulcíssimo tanto para si próprio quanto para aqueles que convivem com você, seja familiares, amigos, colegas, vizinhos.

Nunca permita que a tristeza, amargura, mágoa, inveja ou cobiça tome conta de seu coração. Seja uma jabuticabeira do pomar de Deus. Solte a casca e busque a fonte de águas vivas.

Que a graça e a paz do Senhor lhe sejam multiplicadas.

José Adelson de Noronha

O Sumiço das Abelhas


 

José Adelson de Noronha

“Um mistério à solta no ar. Abelhas desaparecem nos EUA e na Europa, provocando prejuízos de bilhões de dólares a agricultores”, é o que diz a manchete da revista Veja, de 25 de abril de 2007.

Segundo a reportagem um fenômeno assombroso está acontecendo com milhões de colméias nos EUA, Canadá, França, Inglaterra, Espanha e Suíça. Enxames inteiros somem, de uma hora para a outra, misteriosamente, deixando as colméias apenas com a sua rainha e algumas pouquíssimas operárias. Na Inglaterra alguns apicultores estão registrando perda de 75% das colméias. Na Suíça, 40%. Há lugares que os apicultores registram desaparecimento de 90% de toda a sua criação.

As abelhas saem e não voltam mais. Tampouco são encontradas mortas próximas à sua área de trabalho. Um mistério que os agricultores, cientistas e autoridades não conseguem explicar.

Igrejas estão desaparecendo na Europa

Sintomaticamente, os jornais também noticiam que em muitos países da Europa, especialmente na Inglaterra, Suíça e países nórdicos, muitos templos cristãos estão sendo vendidos por falta de recursos para a sua manutenção. São templos tanto católicos quanto evangélicos.

E quem são os compradores? São famílias ricas que compram para transformá-los em residências. Residências espaçosas, obras de arte em vitrais, bairros familiares pacatos e ordeiros. São estúdios de gravação de DVDs, CDs e outras médias, por causa da excelente acústica que possuem. São bares e boates, por causa do excelente espaço interno, pé direito alto.

E onde estão as famílias que antes freqüentavam esses templos? Onde estão as antigas crianças, adolescentes e jovens que cresceram ouvindo ali a Palavra de Deus? Por que não vão mais à igreja? Por que não têm recursos para a manutenção do templo e seus obreiros? Esses países conhecem o evangelho há séculos. Muitos deles foram o berço de grandes missionários que levaram o evangelho aos confins da terra. E porque estão perdendo a fé agora? Porque estão tirando a Palavra de Deus de dentro de seus lares, suas escolas, do contexto de suas leis.

Fizeram leis liberalizando o divórcio, o aborto, a prostituição. E agora, estão fazendo leis legalizando a união homossexual. E mais, chegam a instituir que o ensino básico deve mostrar às crianças que o homossexualismo é uma opção à sua escolha.

Pessoas com recursos para comprar todo o templo e mantê-lo individualmente não faltam. Mas pessoas com seus dízimos e ofertas para a simples manutenção do templo, isso falta. O que está desaparecendo no coração dos homens? A fé? O temor do Senhor? Será que estão cheios da Palavra de Deus e pensam que não mais necessitam dela? O que antes era local de edificação espiritual passa a ser agora local de recreação carnal, local de conforto para a concupiscência da carne, concupiscência dos olhos e soberba da vida.

Não sei se o mistério deste sumiço ou “arrebatamento” das abelhas é alguma manifestação de Deus aos corações dos homens. Mas sei que a Bíblia diz que a alma farta pisa o favo de mel, mas à alma faminta todo o amargo é doce (Pv 27:7).

Os países mais “avançados” estão retirando Deus do coração do homem, quando tiram o ensino religioso das escolas, quando tiram a Palavra de Deus de suas constituições, quando rejeitam a fé em troca da vãs filosofias, materialismo, ecumenismo e outros “ismos”. Estará a alma dos homens farta de Deus? Do Deus legítimo, Jesus Cristo? Misticismo há muito. Espiritualismo, também. Mas onde está a fé no sacrifício de Jesus Cristo a favor do pecado do homem?

Jesus faz uma pergunta que é de nos deixar arrepiados, referindo-se ao tempo da sua volta: “Contudo, quando vier o Filho do Homem, achará, porventura, fé na terra?” (Lc 18:8). Mas como as pessoas poderão ter fé, se não há local para a pregação da Palavra? A fé vem pelo ouvir e ouvir a palavra de Deus.

Está se confirmando o que a própria Bíblia diz quando afirma que chegará um tempo em que os homens procurarão, pelo mundo inteiro a Palavra de Deus e não a encontrarão. Nesse tempo, certamente aqueles que ainda estiverem aqui, sentirão como se fosse a doçura do mel até a Palavra mais amarga que vier da parte de Deus. E terão toda razão em assim sentirem, pois ela será muito escassa no período da Grande Tribulação. Nesse tempo, todos certamente dirão: “Quão doces são as tuas palavras ao meu paladar! Mais que o mel à minha boca… São mais desejáveis do que ouro, mais do que muito ouro depurado; e são mais doces do que o mel e o destilar dos favos” (Sl 119:103 e Sl 19:10).

Amados, Jesus está voltando. E um dos sinais claros é que o homem está perdendo o temor do Senhor no coração e, consequentemente, a sua fé. E está perdendo porque não tem semeado as sementes que recebeu para o replantio. Os dízimos e ofertas não têm sido suficientes nem mesmo para a manutenção dos templos cristãos nas nações tradicionalmente cristãs. Que o Senhor tenha misericórdia de nós. “Certamente, darás os dízimos de todo o fruto das tuas sementes, que ano após ano se recolher do campo. E, perante o SENHOR, teu Deus, no lugar que escolher para ali fazer habitar o seu nome, comerás os dízimos do teu cereal, do teu vinho, do teu azeite e os primogênitos das tuas vacas e das tuas ovelhas; para que aprendas a temer o SENHOR, teu Deus, todos os dias” (Dt 14:22,23)

Escassez de fruto

Amado irmão, como está sua vida pessoal em relação à Palavra de Deus? Sua casa espiritual está em perfeita conservação ou está sendo alienada segundo a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos? Não descuide de um bem tão precioso. A Palavra é vida para nós, que somos santuário de Deus. Não vendamos nosso templo para que outros se regozijem nele.

Lembre-se de que onde falta abelha, faltará não só a doçura do mel, mas também faltarão os frutos. Determinadas espécies frutíferas necessitam das abelhas para a sua polinização. E os poucos frutos que são produzidos tornam-se estéreis. Os pomares ficam como um jardim mirrado. Seu proprietário jamais poderá falar como o noivo no livro de Cantares falou a respeito do amor de sua noiva, sua amada: “Já entrei no meu jardim, minha irmã, noiva minha; colhi a minha mirra com a especiaria, comi o meu favo com o mel, bebi o meu vinho com o leite. Comei e bebei, amigos; bebei fartamente, ó amados” (Ct 5:1).

E que destino espera ter uma árvore frutífera que não dá fruto? Ser cortada pela raiz. O machado está posto à raiz da árvore. Jesus, amados, busca fruto e mel em ti. Primeiro, o fruto do arrependimento, depois o fruto da luz, que é a bondade, a justiça e a verdade e também o fruto do Espírito Santo. Quando produzimos frutos de arrependimento, o Pai que é o agricultor, vem e limpa para que produzamos mais frutos ainda, para que nosso coração se torne rico na manifestação dos frutos da luz e do Espírito Santo.

Logo após a ressurreição, o primeiro alimento que Jesus tomou foi peixe assado e mel. O peixe assado é um símbolo do pecador arrependido, e o mel é uma figura da presença da Palavra de Deus em nossos corações. “Fui, pois, ao anjo, dizendo-lhe que me desse o livrinho. Ele, então, me falou: Toma-o e devora-o; certamente, ele será amargo ao teu estômago, mas, na tua boca, doce como mel” (Ap 10:9).

Na vinda de Jesus, somente os pecadores arrependidos que tiverem mel, isto é, que guardam a sã doutrina, serão arrebatados. E então, mais uma vez, as autoridades, cientistas e todo tipo de especialistas serão chamados a explicar o fenômeno assombroso. O maior mistério de toda a história da humanidade: O sumiço dos crentes!

Que a graça do Senhor esteja contigo, para que nunca falte em sua vida o amor pela Sua Palavra e assim todos estejamos prontos para a iminente vinda do nosso Senhor Jesus Cristo, o amado de nossas almas, a doçura de nossas vidas.